A relação de reciprocidade e afeto entre humanos e animais é algo que se perpetua ao longo dos séculos. A popularidade dos chamados “pets” cresceu muito nos últimos anos, entretanto, a taxa de abandono desses animais não diminuiu. Segundo a ONG Viva Bicho, que atende esta demanda em Balneário Camboriú, cerca de 20 animais são abandonados todos os dias em frente à instituição.

Essa é a realidade de muitas cidades que, em sua maioria, não possuem planejamento para a vacinação e castração de animais de rua. Isso resulta em um aumento populacional desenfreado de cães e gatos e, consequentemente, a propagação de possíveis zoonoses, já que os animais podem se tornar hospedeiros e transmissores de doenças, o que configura como caso de saúde pública.

Uma das estratégias para mudar este cenário é a conscientização, que deve começar desde cedo. Com esse objetivo, as professoras Clarissa Baretta e Gabriela Piske desenvolveram, em parceria com os alunos do segundo período de Medicina Veterinária do Centro Universitário Avantis – UniAvan, um projeto social na Escola Cedin Verde Vale, em Itajaí. Durante toda a semana os acadêmicos apresentaram de forma lúdica às crianças informações sobre zoonoses (que são as doenças que os animais podem transmitir aos humanos).

De acordo com a professora Clarissa, aproximar os acadêmicos da comunidade é fundamental para que eles compreendam os desafios sociais da atuação profissional. “Queremos oferecer aos nossos alunos uma formação ampla, voltada ao desenvolvimento pessoal e social. Saúde pública também é responsabilidade do veterinário, assim como de todos nós”, defende.

A iniciativa foi adaptada e se tornou um projeto de extensão do curso. Todos os meses, acadêmicos da graduação visitarão escolas da região para levar informações sobre prevenção e combate de zoonoses.